Desintoxicação de primavera com alimentação ayurveda

Ayurveda

Desintoxicação de primavera com alimentação ayurveda

O Equinócio de primavera se aproxima. Já começamos a sentir a mudança na natureza fazendo seus ciclos: a temperatura sobe, as flores aparecem e, nas regiões onde o inverno foi mais intenso, a vida desperta.

Para nós, também é momento de desintoxicação do corpo com a ajuda da medicina ayurvédica. Para um estilo de vida saudável, essa medicina milenar indiana recomenda mudanças na rotina diária de acordo com a estação do ano.

Para a medicina ayurvédica, a principal causa de doenças tem sua origem no sistema digestivo e estes desequilíbrios estão essencialmente ligados a uma alimentação desequilibrada, geralmente proveniente de combinações incompatíveis de alimentos, exageros alimentares e o excesso de alimentos industrializados.

Estes maus hábitos sobrecarregam o sistema digestivo e apagam o agni  – fogo digestivo, permitindo a formação de toxinas. Estas toxinas migram  “transbordam” do estômago e intestinos, se espalhando por todo o corpo e instalam-se nos tecidos e sistemas causando inicialmente doenças mais simples e com o passar do tempo doenças mais graves.

|Siga o Jardim do Mundo no Instagram para acompanhar nossas aventuras|

A alimentação ayurvédica ensina que devemos escolher alimentos de acordo com nosso biótipo, e usar especiarias e ervas nos alimentos. No entanto, muitas vezes o sistema digestivo está tão congestionado que as escolhas certas já não são suficientes para o alivio dos sintomas causados por anos de sobrecarga alimentar e para recuperar a saúde recomenda-se, nestes casos, monodietas e jejuns desintoxicantes.

Jejum na medicina ayurvédica

O jejum é uma prática ancestral. Há pelo menos 5 mil anos nossos antepassados já conheciam os poderes curativos da abstinência de alimentos principalmente para depuração da mente. No jejum todos os alimentos sólidos são evitados por alguns dias.

Em alguns tipos de jejum pode-se beber água ou mesmo escolher algum suco ou chá cuja planta possua efeito terapêutico específico para o caso. O jejum é considerado uma prática para renovação espiritual e desintoxicação da consciência através do descongestionamento da mente mas não deve ser iniciado abruptamente, sem orientação. Para que um jejum seja bem sucedido deve-se buscar uma primeira experiência com as monodietas.

|Leia mais: Aprenda como preparar Masala Chai|

Hoje existem dezenas de estudos falando dos benefícios dos jejuns curtos ou intermitentes. Estes benefícios incluem: autofagia, emagrecimento, desintoxicação, estimulo da função cardíaca e cerebral, aumenta a tolerância à glicose, regulação endócrina, acelera o metabolismo, entre outros.

Monodieta na medicina ayurvédica

A monodieta consiste em comer apenas um tipo de alimento por um ou mais dias. Com isso, é possível aliviar a sobrecarga do sistema digestivo e fortalecer o agni para queimar o excesso de toxinas que estão circulando no trato gastro-intestinal. A monodieta é bastante eficiente e com ela conseguimos reprogramar o metabolismo, e provocar transformações bioquímicas que irão promover a desintoxicação, principalmente através da limpeza do sistema linfático cujos metabólitos são drenados e eliminados durante a prática.

Para a ayurveda, este efeito é explicado através do poder de agni, que queima e elimina toxinas. Quando o agni não está funcionando bem os alimentos não são conseguem ser completamente digeridos, dificultando a absorção dos nutrientes pelo organismo.  A monodieta pode ser planejada de acordo com o biotipo da pessoa e também para casos mais específicos através da  da escolha do alimento a ser ingerido durante o processo – que terá seu poder terapêutico potencializado durante o tratamento.

Por exemplo monodieta de rabanete em combate ao ácido úrico. Monodieta de melancia para fortalecer o sistema urinário. A monodieta também é muito eficaz para o tratamento de distúrbios alimentares como a compulsão por doces e alimentação excessiva e apesar de emagrecer, não deve ser utilizada com esta finalidade.

Além da escolha do alimento apropriado que deverá ser ingerido, durante o tratamento deve-se estimular o fogo digestivo com chás picantes como o de gengibre e temperar o alimento com especiarias digestivas.

Para cada dosha (biotipo) existem muitas possibilidade de alimentos:

Monodieta e Jejum para Pitta Dosha

Alimentos: maçã cozida, arroz integral cateto bem cozido com Massala Pitta (conjunto de especiarias indicadas pra o dosha) rabanete, suco de uva,  água de coco.

Especiarias e óleos: coentro, cominho, canela, gengibre, feno grego, cúrcuma e pimenta do reino. Manteiga ghee, óleo de coco e azeite de oliva.

Duração da monodieta: 1 a 4 dias

Jejum: 1 dia

*Utilizar sempre cúrcuma pura (sem misturas) de um produtor confiável.

Monodieta e Jejum para Vata Dosha

Alimentos: arroz branco (o integral é pesado para a digestão do biotipo vata, que tende a se desiquilibrar com excesso de fibras), kichadi, banana ou abacaxi cozidos com canela.

Especiarias e óleos: Massala Vata (conjunto de especiarias para Vata), cominho, cravo, cardamomo, erva doce, nos moscada, canela e gengibre. Temperar o arroz com uma boa dose de manteiga ghee.

Duração da monodieta: 1 a 2 dias

Jejum: vata é o único dosha que não deve fazer jejum com ausência total de alimentos. Sua característica etérea é potencializada pela abstinência de alimentos, podendo agravar ainda mais o desequilíbrio.

|Leia mais: Aprenda como preparar gengibre em pó e leite dourado|

Monodieta e Jejum para Kapha Dosha

Kapha é o dosha que deveria fazer monodieta mais regularmente que os outros doshas, pelo menos 1 dia por semana ou quinzenalmente, pois tende a acumular muita toxina.

Alimentos: arroz integral bem cozido, abóbora, inhame, maçã, pera e caqui.

Especiarias e óleos: todas as pimentas, semente de mostarda, gengibre, canela. Manteiga ghee para refogar as especiarias. Caso prefira um blend de especiarias para esse dosha, pode escolher a massala Kapha que é quente, picante e deliciosa para temperar e intensificar o sabor na  monodieta.

Duração da Monodieta: até 5 dias

Jejum: 2 dias

Propriedades do inhame: depurativo, desintoxicante e regulador. Essa dieta é utilizada no tratamento de infecções agudas ou crônicas de qualquer tipo.

Propriedades da abóbora: ajuda a controlar o nível de glicose em casos de diabetes, depura o sangue do mau colesterol.

Atenção!

Normalmente essas dietas podem provocar reações, como dor de cabeça, fraqueza, indisposição, irritabilidade, diarreia e/ou fezes com odor forte e eventualmente prisão de ventre no primeiro dia. Estes sintomas tendem a ser mais intensos em organismos muito intoxicados, mas logo desaparecem. Para isso, é indicado tomar suco concentrado de gengibre e limão.

Após o primeiro dia de tratamento e passadas as fases mais difíceis do processo, os efeitos da monodieta e do jejum começam a se manifestar. No lugar do desconforto fruto de nossos condicionamentos, uma incrível sensação de felicidade, leveza e bem estar passam a se manifestar no corpo e na mente. Paz mental, clareza de ideias e criatividade passam a preencher a consciência.

Importante para a medicina ayurvédica

Devemos sempre procurar acompanhamento especializado antes de decidir fazer um tratamento, tanto nos casos de monodieta como os de jejum pois estas terapias além de mobilizar toxinas, movimentam as emoções.

Atualmente existem muitas pesquisas científicas acerca do jejum e das monodietas que atestam o seu potencial terapêutico na prevenção de doenças cardiovasculares, na redução de crises de epilepsia, regulação hormonal, diminuição da resistência à insulina, entre outras qualidades.

Quais são as regras básicas na Alimentação Ayurveda?

O Ayurveda também segue certas diretrizes que são importantes para o nosso corpo quando se trata de alimentação. Como tudo, no ayurveda, a nutrição também deve ser caracterizada pela calma e serenidade. Ouvir a si mesmo e ao nosso corpo é muito importante.

Existem algumas regras básicas que podemos seguir como guia:

1. Comer apenas quando estiver com fome

A primeira regra importante no Ayurveda é comer apenas quando estiver realmente com fome. Freqüentemente, sentimos necessidade de comer, mas não porque estamos realmente com fome. Muitas pessoas comem por tédio ou simplesmente por hábito.

2. Comer a quantidade certa

Não devemos comer muito, o estômago deve permanecer sempre parcialmente livre para que as funções digestivas não sejam perturbadas. Se você costuma se sentir cansado depois de comer, a quantidade era muito grande ou a comida era muito pesada e você sufocou o fogo digestivo (agni).

A quantidade certa é, obviamente, individual para cada pessoa, mas podemos dizer que o estômago deve ser considerado em quatro partes. Duas partes para alimentos sólidos, uma parte para líquidos como bebidas e sopas e uma parte para o estômago devem ser deixadas vazias.

3.Prefira alimentos quentes e cozidos

Nosso corpo absorve melhor os alimentos cozidos e pratos quentes também estimulam a digestão e o metabolismo. Os vegetais crus devem ser usados ​​apenas como acompanhamento. Os pratos quentes também têm um efeito positivo no nosso humor.

4.Não beber muito antes e durante as refeições

Se bebermos muito antes ou durante as refeições a comida não será mais bem decomposta. É melhor evitar beber muitos líquidos uma hora antes e depois de comer. Enquanto come, podemos tomar pequenos goles de água quente, chá ou lassi. Em geral, as bebidas frias devem ser evitadas.

5.Comer apenas alimentos bons e de alta qualidade

Nossos alimentos devem ser sempre frescos e de alta qualidade. Alimentos prontos ou processados ​​também devem ser evitados.  Também é uma boa ideia preferir alimentos sazonais e comprá-los localmente. Cada refeição também deve ser preparada com ingredientes novos. Deve-se evitar alimentos reaquecidos do dia anterior.

6.Comer em ambiente próprio

O corpo deve ser capaz de se dedicar inteiramente à digestão. Falar, ler ou assistir TV enquanto nos alimentamos distrai, influencia o prazer e atrapalha a digestão. A melhor coisa a fazer é comer sentado e depois permitir que o corpo descanse por alguns minutos.

7. Ter equilibrio

Para manter o equilíbrio cada refeição deve conter os seis sabores. Idealmente, seria: doce, azedo, salgado, picante, amargo, ácido. Especiarias adequadas são uma boa adição aqui, pois muitas vezes também auxiliam o processo digestivo.

O objetivo é acalmar seu dosha com a comida e entrar em um estado de equilíbrio. Portanto, descobrir com antecedência quais alimentos são adequados para equilibrar o dosha é importante.

8. Comer regularmente em horários determinados

Devemos ter refeições consistentes e regulares evitando lanches. Três refeições são a norma.

– A refeição principal é o almoço. A maioria das proteínas e carboidratos deve ser consumida aqui.
– Pela manhã a digestão ainda é bastante lenta, por isso um pequeno e leve café da manhã é recomendado. Um mingau quente feito de água ou leite de coco com nozes ou frutas secas é particularmente suave.
– O jantar deve ser leve também. Sem saladas ou vegetais crus! Sopas quentes e reconfortantes são melhor refinadas com especiarias agradáveis.

Abaixo alguns links de pesquisas já realizadas na área.

Washington University School of Medicine and Institut für Biochemie; Christian-Albrechts-Universität zu Kiel; Kiel, Germany (Setembro 2015);

Harvie et al (2011)

Heilbron et al (2005 estudo B)

Varady et al (2009)

Klempel et al (2013)

Islamic fasting and multiple sclerosis (2014)

A vida é um acontecimento extraordinário para ser passado sem um propósito, aqui queremos inspirar a mudança, a conexão com os ciclos da natureza, o resgate dos saberes ancestrais e manuais. Vamos juntos por esse caminho descobrindo que tudo que precisamos já está em nós mesmos.

jardimdomundo.com