Cohousing, uma nova forma de morar

Cohousing e a vida em comunidade

Quem já pensou em morar em um lugar onde o verdadeiro sentido de bairro e viver em comunidade sejam prioridades? Um novo conceito de moradia vem conquistando cada vez mais adeptos: é o Cohousing.

Conhecida por ser uma alternativa ao modelo de habitat tradicional, cohousing surgiu ainda na década de 70 na Dinamarca com um grupo de famílias que ansiava por uma vizinhança que oferecesse um verdadeiro senso de comunidade inexistente em subúrbios da região ou em apartamentos. O nome em dinamarquês, bofælleesskaber, significa “vida em comunidade”, o qual foi traduzido para o inglês como “cohousing”, nome também pelo qual se popularizou pelo mundo.

Cohousing

Como nasce um Cohousing

Embora existam diferentes tipos de cohousing ao redor do mundo, todas elas compartilham de alguns elementos arquitetônicos e sociais em comum. No momento de sua concepção, todos os futuros residentes devem participar de seu planejamento. Depois dessa fase, todos também são responsáveis pela sua manutenção. Decisões de interesse da comunidade são tomadas em encontros entre os moradores baseados no consenso e no acordo entre eles.

Nesse tipo de habitat, a sua principal característica é a relação indissociável entre a área privada e coletiva. Estas são áreas de funções opostas que se complementam. Nela, seus moradores possuem casas individuais privadas. Porém, espaços comuns são igualmente privilegiados, sendo estes considerados complementos de suas áreas privadas. O objetivo? Aproximar seus moradores, diminuir o custo de vida, compartilhar, reusar e reciclar recursos, dentre outras vantagens de se morar coletivamente em uma cohousing.

O espírito de solidariedade e a ideia de uma vida mais simples, já chegou no Brasil. Você pode acompanhar as discussões no grupo fundado pela arquiteta e urbanista Lilian Lubochinski, na página Cohousing Brasil e Cohousing Sampa.

A seguir, algumas fotos que mostram o quão bem sucedido esse tipo de habitat pode ser:

c

d

e

b

a

b

a

b

Por: Jessica Bittencourt, colaboradora do Jardim do Mundo , arquiteta e urbanista do Gaia Arquitetura.

Jovem arquiteta e urbanista pé na estrada, praticante da filosofia tântrica e entusiasta das alternativas sustentáveis. Em tempos em que impera o individualismo comodista e com ele a míngua do respeito e preocupação com o meio ambiente, defende o despertar para as vantagens que resultam da cooperação e solidariedade. Criadora e responsável da página Gaia Arquitetura, fruto de seu anseio de contribuir para a transformação que deseja ver no mundo.

6 opiniões sobre “Cohousing, uma nova forma de morar

  • Reply M. Irene M. Ferreira 14 junho, 2016 at 12:22

    Adorei
    Sonho viver assim mas num sítio onde haja lugar para animais. no meio da natureza comer o que poder cultivar.Longe da cidade

  • Reply claudete 15 junho, 2016 at 3:21

    É a vida que desejava ter

  • Reply roseli 20 junho, 2016 at 11:50

    Deveria agregar a ideia a todo Brasil
    Principalmente ao Noroeste
    Mais passar essa ideia p pessoas erradas
    Ou melhor não passar essa ideia é som fazer acontecer essa idéia

  • Reply mariza Zacura 6 julho, 2016 at 19:22

    Tenho um sítio próximo a Sorocaba onde gostaria de implantar esse sistema, alguém se interessa???? Mariza Zacura estou no Face

  • Reply danilo ramos 22 agosto, 2016 at 20:47

    somos permaculturistas, moramos num sítio aonde procuramos montar projetos ambientais, que deixem um planeta mehor para nossas futuras gerações,.,interessados em nossas idéias serão bem vindos, contatem-nos. . Danilo e Lídia

  • Reply marcelo 31 maio, 2017 at 12:37

    Oi Mariza, como posso te contactar?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *