Aprenda identificar e colher 3 cogumelos silvestres na natureza

Coleta de cogumelos

É tempo de colheita de cogumelos silvestres nas regiões mais frias do Brasil. Diante da pandemia, a atividade mais animadora para nós atualmente, e desde sempre, é ir para floresta colher e identificar cogumelos silvestres.

Colher e identificar cogumelos é um  hobby divertido que pode envolver toda a família, além de garantir ótimos momentos em meio a natureza, colher cogumelos é sinônimo de economia e boa alimentação.

Os cogumelos são altamente nutritivos, os fungos são ricos em vitaminas, proteínas, fósforo, vitaminas do complexo B, ácido fólico e fibras. Os silvestres ainda possuem mais vantagens porque são orgânicos e um presente da natureza para todos nós, pois são totalmente gratuitos.

| Leia mais: Aprenda a como cultivar cogumelos em casa|

Para além do papel nutritivo, os fungos desempenham um papel importante no ecossistema. Confira no decorrer da matéria algumas regras de conduta para consumir com segurança e repeito a natureza.

Abaixo ensinaremos a como identificar 3 tipos de cogumelos silvestres muito comuns, principalmente na região sul do país.

1- Boletus edulis  (Cogumelos Porcini)

Boletus edulis identificação

Boletus edulis

 

Boletus edulis são mais conhecidos como os cogumelos Porcini, queridinhos dos italianos e raros de encontrar para comprar no Brasil, já na natureza são abundantes. É o meu preferido!

O chapéu pode alcançar grandes dimensões, até 30 cm de diâmetro. De cor castanho, com a margem mais clara. Muito carnudo e mostrando-se ligeiramente viscoso em tempo de chuvas.

Pé cheio e duro, tão carnudo ou mais que o próprio chapéu, de cor geralmente branco com uma fina retícula na parte superior.

|Siga o Jardim do Mundo no Instagram para acompanhar nossas aventuras|

Boletus edulis identificar

Boletus edulis

Valor gastronômico: Carne branca e imutável em contato com o ar, duro quando é um exemplar jovem e vai tornando-se mais esponjoso com a idade. De odor fúngico agradável e sabor a avelã.

Fica ótimo grelhado com azeite de oliva de qualidade e alho, também na substituição da carne no estrogonofe.

Época: Frutifica no outono e se estende para o inverno.

Habitat: Frequentemente encontrados nas raízes de carvalhos, próximo a castanheiras e bosque de pinheiros.

2- Lactarius deliciosus

lactarius deliciosus colher

Lactarius deliciosus

 

 

Esse cogumelo também muito apreciado na culinária européia tem um sabor picante e é bem leitoso.

A espécie é facilmente reconhecida no campo pelo seu corpo de frutificação, destaca-se pela sua cor totalmente laranja , outra característica é que quando cortamos para o colher, solta logo um leite cor de laranja escuro no local do corte.

|Leia mais: Amôndegas de aveia com cogumelo

Quando tocamos sem delicadeza, provocamos uma “ferida” que oxida e vai ganhando uma cor esverdeada, sendo assim bastante fácil identifica-lo.

colher Lactarius deliciosus cogumelo

Lactarius deliciosus

 

Valor gastronômico: Carne dura e compacta. De odor fúngico normal, ideal para preparar na grelha ou no forno e também para fazer escabeche.

Época: Frutifica da primavera ao inverno

Habitat: Espécie típica de coníferas, facilmente encontrado debaixo de pinheiros em solos neutros ou calcários.

3- Agaricus campestris

Agaricus campestris colher

Agaricus campestris

 

Esta espécie é muito comuns em pastagens, por isso, também é conhecida como champignon do campo.

O Chapéu tem de 5 a 10 cm de diâmetro. A cor do chapéu é branca e a margem apresenta franjas, abaixo do chapéu nas lâminas a cor é  rosada.

O pé cilíndrico e proporcional ao tamanho do chapéu, incolor, cheio e sem escamas. Uma das características fundamentais é que é facilmente separado do chapéu. Possui um anel simples e ascendente da mesma cor que o resto do corpo frutífero.

 

agaricus campestris

Agaricus campestris

Valor gastronômico: Carne espessa e consistente de cor branca, com o odor fúngico agradável e sabor doce igualmente agradável.

Época: Frutifica tanto da primavera ao inverno.

Habitat: encontra-se em  pastagens de baixa altitude, logo após as chuvas precedidas de período de estiagem longo. Aparecem geralmente em grupos.

Normas para Boas Práticas de colheita de Cogumelos Silvestres

Para garantirmos que os cogumelos silvestres é necessário estabelecer e cumprir algumas regras para a sua colheita, garantindo a sua preservação futura e se possível promover o aumento da sua produção.

1. Colher apenas as espécies conhecidas (pretendidas) e unicamente na quantidade que irá consumir

Evite colher espécies desconhecidas só por curiosidade, observe mas não toque. No caso de cogumelos comestíveis não apreciados, devem deixar-se intactos uma vez que interessarão a outros que os apreciam.

Os cogumelos não comestíveis e até os venenosos, também têm funções ecológicas benéficas para a floresta, assim como para o ambiente.

2. Utilizar apenas utensílios ou ferramentas que não removam o solo

Utilizar apenas um pau com ponta afiada ou uma faquinha, de forma a levantar ou destacar os cogumelos sem remover ou perturbar o solo, evitando assim a destruição local do micélio, que poderá produzir outros cogumelos no mesmo local e no mesmo ano.

Como colher cogumelo

Forma correta de colher cogumelos

Depois da colheita tape o espaço aberto com um pouco de terra provocando uma ligeira compactação utilizando um dos pés. O uso de ferramentas ou utensílios que removam e revolvam o solo e/ou a folhada deverão ser excluídos na colheita de todos e quaisquer cogumelos.

3. Use uma cesta de vime para carregar a colheita de cogumelos

cesta cogumelos

Maneira correta de colher cogumelos

A cesta além de permitir o arejamento, também permite a disseminação dos esporos libertos pelos cogumelos colhidos. O uso de latas, baldes e sacos de plástico são totalmente desaconselháveis.

4. Não apanhar cogumelos muito jovens e nem em fases de avançada maturação 

Os cogumelos demasiados jovens são mais difíceis de identificar e ainda não libertaram os esporos, servindo também menor quantidade de produto a consumir.

Os cogumelos em estado adiantado de maturação podem ser indigestos, devendo deixar-se no local sem perturbação para que dissemine os seus esporos, garantindo a propagação da espécie no desenvolvimento de novos micélios.

5. Em caso de dúvida na identificação dos cogumelos não colher 

Esta é uma norma fundamental. Não conhecemos ou temos dúvidas? Não colhemos e assim não teremos a tentação de os consumir.

É no entanto muito importante que todos aqueles que se interessem pela micologia, procurem informar-se convenientemente, aprendendo a identificar e reconhecer com segurança, as espécies que pretendem colher e consumir, assim como aqueles que não são comestíveis em especial os que são tóxicas.

Nós, além de sermos biólogos, já fizemos algumas saídas para colheitas com pessoas experientes na área e sempre que temos dúvidas recorremos aos grupos de cogumelos do facebook. Carregamos fotos com todos detalhes do cogumelo e os usuários nos ajudam na identificação da espécie, indicando se é comestível ou não.

6. Para aqueles que se dediquem a um turismo de natureza ou educação ambiental

Deverão levar equipamento específico:

– Uma cesta de vime que permita o arejamento e a disseminação dos esporos dos cogumelos;

– Um pequeno pau afiado ou faca;

–   Um caderno de campo para registos e um lápis anotar todos os detalhes observados;

– Uma máquina fotográfica para tirar algumas fotografias e compartilhar com a grande rede.

Boa colheita!

 

A vida é um acontecimento extraordinário para ser passado sem um propósito, aqui queremos inspirar a mudança, a conexão com os ciclos da natureza, o resgate dos saberes ancestrais e manuais. Vamos juntos por esse caminho descobrindo que tudo que precisamos já está em nós mesmos.

jardimdomundo.com

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *