Crise fez jovens de Portugal trocarem cidade pelo campo

crise em portugal

Vivendo entre os países europeus que estavam plena a crise (já passamos por Irlanda, Portugal e Espanha), fomos capazes de viver e perceber o movimento da população para uma alternativa econômica mais plena e sustentável.

A chamada “transição” (atitudes que se voltam a mudança do estilo de vida consumista para um modelo sustentável e mais saudável) vem como, além de uma bóia de salvação, uma alternativa refrescante dentro de um modelo esgotado em todos os sentidos e soterrado pelo consumo e cultura massificada e inorgânica.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

O jovem português Ricardo Meneses, 29, estava perto de concluir a faculdade de design de multimídia no Porto, segunda maior cidade de Portugal, quando decidiu trocar a vida acadêmica por uma carreira totalmente diferente.

Ao ver a dificuldade de colegas para obter emprego, em julho, Sousa parou a faculdade para dedicar-se à agricultura em terras da sua família.

“Não vejo possibilidades de trabalhar na minha área de formação”, afirma. Hoje, além de tirar os próprios rendimentos da produção de cogumelos e kiwis, já emprega mais uma pessoa na lavoura.

Ricardo é um entre muitos jovens portugueses que, por causa da crise europeia, recorreram à agricultura como fonte de trabalho e renda.

– Os portugueses sentiam que só ficava na agricultura quem não tinha oportunidade para outras coisas, não estudava, não ia para as cidades”, afirma a ministra. “Essa ideia está transformada.”

organicfarm_02

MAIORIA JOVEM

Com interesse no setor que ainda cresce, muitos jovens recorreram a programas estatais de incentivo. O principal deles, o Proder (Programa de Desenvolvimento Rural), mantido pela Comissão Europeia, tem uma linha de subsídios específica para jovens agricultores.

Ricardo, que trocou a faculdade de design pelo campo, recebeu apoio de € 30 mil. Investiu outro montante parecido de recursos próprios e aproveitou uma área livre da família.

Na região da cidade de Amarante, no norte português, a Associação dos Agricultores Riba-Douro classifica como um “boom” a procura dos jovens pelo campo.

2

Dos 112 produtores rurais associados à entidade, hoje mais da metade (63) são jovens. Em 1997, quando a associação surgiu, tinha apenas 17 jovens em sua lista de 52 agricultores associados.

O interesse atual é sobretudo na produção de frutas, cogumelos e horticultura.

– São majoritariamente jovens cujos pais não tinham mais ligação com a agricultura, já estavam nas cidades, e que viram uma alternativa [no campo].

O presidente da Confederação dos Agricultores de Portugal, João Machado, diz que 2012 terminou com recorde de 3.000 jovens agricultores no país apoiados pelo programa europeu. “São pessoas com formação em outras áreas, mas que estão a criar seu emprego na agricultura.”

3

A vida é um acontecimento extraordinário para ser passado sem um propósito, aqui queremos inspirar a mudança, a conexão com os ciclos da natureza, o resgate dos saberes ancestrais e manuais. Vamos juntos por esse caminho descobrindo que tudo que precisamos já está em nós mesmos.

jardimdomundo.com

Uma opinião sobre “Crise fez jovens de Portugal trocarem cidade pelo campo

  • Reply Liberto Carvalho Carvalho 5 December, 2013 at 8:02

    Andamos a dar deixas sobre a agricultura e por responsabilidade actual da Ministra da Agricultura e do actual Presidente da República,infelizmente a actual agricultura apenas nos resta a actual agricultura de sobrevivência dado á própria subsistência das pessoas.Eu estou num processo igual e estou de facto entalado.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *